Header Ads

TOP 7: Yaois Preferidos


Meninos se beijando, blegh! Essa era eu no começo da minha vida no mundo dos animes e mangás, mas hoje isso me parece tão comum, normal e até ansiosamente aguardado que até me sinto uma fujoshi.

Mesmo que meus primeiros contatos com yaoi não tenham sido exatamente muito agradáveis, decidi dar chance ao gênero para ver que existe mais coisa do que ser só um hentai com meninos. Muitos têm ótimas tramas, personagens complexos e muitas vezes, o romance fica de lado.

No Japão é comum que o gênero esteja atrelado a outra demografia, como No. 6 que sai numa revista shoujo, mas muitos já saem em revistas próprias para este público e por isso decidi fazer um Top 7 separado.

E por isso, nessa edição especial do TOP 7 elenco meus yaois preferidos (na verdade, a maioria é shounen-ai). Como quase toda lista, o meu gosto pessoal voga, mas aqui, principalmente, porque diferente de fazer os melhores yaois, onde reconheço que muitos sejam bons mesmo que eu não seja 100% apaixonada pela história. Aqui é apenas aqueles que eu gosto e que podem ser considerados medianos ou ruins de forma geral.

Se você achou meu gosto péssimo, deixe sua lista. E sinto muito, mas não vai ter um Top 7 Yuri tão cedo porque ainda sou novata nesse gênero.

7 – Sekaiichi Hatsukoi
Gêneros: comédia, drama, romance, maduro, slice of life
Autor: Nakamura Shungiku
Status: em publicação desde 2006.

Onodera Ritsu sai da editora onde trabalha para aceitar um emprego na Editora Marukawa, onde acaba sendo destacado para o departamento de mangá shoujo, mesmo não tendo habilidade com esse material. Para piorar, seu chefe é o intragável Takano Masamune, que parece ter como diversão pegar no seu pé.

Por que gostei? A trama amorosa não traz nada de novo, Onodera é o típico uke tsundere que tem uma ligação com Takano desde os tempos de colégio. Apesar de ser meio que mais do mesmo nessa parte, outras partes compensam muito, como acompanhar o dia-a-dia de um editor de mangá, seu relacionamento com outros departamentos e com os autores. Mesmo que não seja aprofundado, é uma temática bem interessante. Além disso, os flashbacks com os dois no colégio são bem interessantes e mostra outra ótica do casal, uma química que acho que funciona melhor do que com eles agora, adultos.

6 – Itai Itai Itai
Gêneros: escolar, drama, romance, maduro, slice of life
Autor: Itto
Status: em hiatus desde 2013 (4 volumes lançados até agora).

Tachikawa Shikou e Ukeno Taiga são melhores amigos e estão sempre juntos. Mas a relação deles muda quando Shikou descobre que Taiga está apaixonado por um garoto violento que pratica bullying com outros alunos.

Por que gostei? O autor tenta ser bem realista em como o romance entre garotos adolescentes que não sabem lidar com o que sentem deveria ser, assim, espere por violência, diálogos estranhos, discussões e muito, mas muito desentendimento e dor. As cenas de sexo são um pouco complicadas, mas necessárias para arrastar os personagens a toda dor e sofrimento que eles passam. Também gostei muito do fato da personagem feminina não ser uma vilã e tentar fazer de tudo para mediar as situações entre os protagonistas.

5 – Ten Count
Gêneros: drama, romance, maduro, slice of life
Autor: Takarai Rihito
Status: em publicação desde 2013.

Shirotani Tadaomi sofre de misofobia (medo de contato com o sujo e da contaminação por germes), e isso acaba afetando seu desempenho no emprego. Após conhecer Kurose, um jovem médico, este lhe diz que irá ajudá-lo a se curar através de dez passos. Mas a relação entre eles pode se estender mais longe do que médico e paciente.

Por que gostei? Premissa bem interessante e inovadora, apesar de no final não fugir muito dos clichês de yaoi, com Kurose sendo o típico dominador, apesar de ainda ter esperanças que o personagem terá mudanças radicais. O grande destaque fica para Shirotani, não só por sua personalidade, sua fobia e seus receios, mas também pela maneira como todo o histórico do personagem foi criado e como isso afeta quem ele é. Shirotani é em minha opinião um dos personagens movidos pelo medo e culpa mais brilhates que já vi.

4 – Golden Days

Gêneros: histórico, fantasia, drama, romance, comédia
Autor: Takao Shigeru
Status: finalizado com 8 volumes (2005 – 2007).

Mitsuya Soma é um jovem violinista que não consegue se dar bem com sua mãe, mas tem um grande apreço pelo avô, que está muito doente, mas constantemente o incentiva a tocar violino. Em uma de suas visitas ao avô no hospital, o garoto descobre que velho tem um grande arrependimento do passado, embora nunca diga o que é. No mesmo dia, a condição do velho piora bastante e um terremoto acontece. Quando Soma se dá conta, ele não está mais em Tóquio na era atual, mas sim em 1921 e todos pensam que ele é na verdade, seu avô quando jovem.

Por que gostei? É um shounen-ai bem leve e sutil, mas a maneira como a autora consegue inseri-lo de forma discreta em um mistério do passado foi muito bem feito. Tanto que a trama de Golden Days é tão interessante, que vale ler, mesmo para quem não é fã do gênero.

Mitsuya volta no tempo, mas sua semelhança com o avô quando era jovem é tanta que todos acham que ele é Yoshimitsu, inclusive Jin, melhor amigo de seu avô e que é apaixonado por ele. Com o desenrolar da trama, Jin descobre a verdade sobre Mitsuya, enquanto o jovem fica sabendo mais sobre a história de seu avô e o que trouxe tanta infelicidade a ele. O final é muito delicado e tocante e eu realmente me surpreendi em como a autora amarrou bem todas as pontas soltas.

3 – Barairo no Hoho no Koro
Gênero: histórico, escolar, drama, romance.
Autor: Nakamura Asumiko
Status: finalizado com 1 volume em 2007.

Morgan é um garoto rebelde e violento, filho do prefeito local. Ele é mandado para estudar em um internato e passa a dividir o quarto com Paul, um garoto inteligente e sério, com um passado triste. Apesar das personalidades distintas, o relacionamento entre eles começa a ficar mais íntimo e profundo.

Por que gostei? Além do traço lindíssimo da autora e bem diferente, o mangá mostra de forma direta e crua a descoberta do primeiro amor. Mas não espere nada sensível romântico e feliz porque não é. Acompanhando o ponto de vista de Andrew Morgan, vemos como se apaixonar, ainda mais por alguém do mesmo sexo pode ser muito difícil. Não só por essa complicação, mas por não saber lidar com tal sentimento, nem como externa-lo ou transmiti-lo. A obra é bem agridoce, mas ao mesmo tempo, muito delicada, fazendo vários questionamentos.

2 – No. 6

Gêneros: ficção científica, fantasia, drama, ação, romance
Autor: Asano Atsuki
Status: finalizado com 11 episódios em 2011.

No.6 é uma cidade utópica e moderna, onde todos os seus moradores tem elevado estilo de vida. Shion, por atingir excelentes notas em suas avaliações, consegue moradia na parte mais rica da cidade, junto de sua mãe. Em seu décimo segundo aniversário ele acaba conhecendo Nezumi, um garoto misterioso que está fugindo dos agentes da cidade. Considerado perigoso, todos os habitantes da cidade são instruídos a denunciá-lo, mas Shion acaba acobertando sua fuga. Isso faz com o garoto perca todos os benefícios que possuía e seja enviado para a parte mais simples da cidade. Anos depois, Shion está trabalhando na vigilância de um parque quando percebe que estranhos parasitas estão dominando as pessoas, mas é capturado por agentes do governo que temem que ele leve a publico tal situação. É quando Shion é salvo por Nezumi e levado para fora da No.6, onde descobrirá que há muitos mais segredos na cidade perfeita do que imaginava.

Por que gostei? A trama é extremamente complexa e amarrada. O romance em No. 6 fica realmente em segundo plano muitas vezes, mas é exatamente por mostrar o cotidiano dos personagens e suas lutas pessoais, além do romance, que a obra me cativou. Além da história inteligente, a relação entre os dois personagens é única e os outros personagens menores também tem suas histórias mostradas.

1 – 19 Days

Gêneros: escolar, slice of life, drama, comédia, amizade, romance
Autor: Old Xian
Status: em publicação online.

Zhan Zheng Xi e Jian Yi são amigos de infância que tem personalidades completamente opostas, mas que fazem o seu melhor para continuar sua amizade.

Por que gostei? Eu realmente não esperava nada quando comecei a ler, nem esperava um shounen-ai na verdade. Com uma pegada cômica bem absurda e engraçada, o mangá acompanha o dia-a-dia dos dois garotos, com o desenvolvimento da relação entre eles. Não tem nada muito explícito, apesar das gracinhas e super diretas de Jian Yi.

O autor consegue mostrar os personagens de forma muito direta e humana, ao mesmo tempo quem Jian Yi consegue ser fofo, ele também é um adolescente meio sem noção, que testa a paciência de ZhengXi ao extremo. Este, apesar da amizade, tem um pavio meio curto para lidar com as situações cotidianas. Friamente, o webtoon não traz nada de novo realmente, mas de alguma forma acabou me cativando.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.